sexta-feira, 30 de agosto de 2013

O programa "Na Moral" e a tentativa de manipulação dos espectadores

Eu não posso deixar de exprimir a mais profunda repulsa que eu senti quando assisti ao programa “Na Moral”, do apresentador Pedro Bial. Primeiro quero deixar bem claro que a participação do bispo auxiliar da Diocese do Rio de Janeiro, Dom Antônio Augusto, foi fantástica. Sobre a senhora que se diz Católica e a favor do aborto, melhor nem comentar. Aliás, ela nem deveria se dizer Católica já que vai contra um ensinamento da Igreja.
Os dados de pesquisas feitas no Brasil mostram que pelo menos 70% da população brasileira é contra o aborto, crime em nosso país. Diante disso, vem as feministas e simpatizantes afins como um enxame de abelhas dizendo que a mulher PRECISA TER “a liberdade de decisão”, e que o aborto é um DIREITO (de quem?). É ÓBVIO que a mulher TEM A LIBERDADE DE DECISÃO em relação à sua gravidez. Uma vez grávida, ela vai decidir se quer ser MÃE ou ASSASSINA, matando o próprio filho “se livrando” de um problema.
A Igreja não reprime a mulher, pelo contrário, ela MOSTRA O QUE É DIGNIDADE, tema principal da Carta Encíclica “Mulieris Dignitatem”, do beato João Paulo II. A Igreja respeita a vida desde a concepção porque é ali que um ser humano começa a se desenvolver e se formar. Dom Antônio Augusto foi questionado sobre quando começa a vida, logo, ele disse que no zigoto, no genoma humano. O Dr. Dráuzio Varela, quando questionado sobre o mesmo ponto, disse que no genoma humano há vida, mas que não podemos chamar “isso” de vida humana. Ora, então o genoma não se desenvolve, não se torna uma criança? Ele poderia até dizer isso se do genoma se formasse um cavalo, cachorro, ET, etc. MAS O GENOMA É VIDA, PORQUE JÁ É UMACRIANÇA QUE VAI CRESCER! TODOS QUE NASCERAM PASSARAM POR ESSA FASE DE DESENVOLVIMENTO CELULAR, QUALQUER SER VIVO COMEÇA A SE DESENVOLVER POR DUAS CÉLULAS QUE SE ENCONTRAM.
A atriz Cláudia Abreu afirmou: “Eu sou a favor do aborto, desde que isso não banalize o aborto e a falta de cuidado das mulheres”. Então o aborto é um cuidado com a mulher? Matar o próprio filho é cuidar dele? A MATERNIDADE RESPONSÁVEL, da qual tanto se fala hoje em dia, é matar o filho no próprio ventre? Quanta responsabilidade. O aborto traz consequências, tanto físicas quanto psicológicas, isso é fato. A mulher vai contra a própria natureza materna ao derramar o sangue de um inocente, quem dirá de uma parte dela mesmo, que se alimenta de seu próprio sangue, que tem a mãe como a maior protetora.
A atriz e cantora Emanuelle Araújo disse: “O aborto não é a melhor escolha, mas em situações gravíssimas a mulher deve fazer essa escolha com SEGURANÇA e com SAÚDE”. Segurança e saúde de quem? A mulher não tem segurança alguma quando se submete ao procedimento da morte, ela pode ter várias complicações, hemorragias, o procedimento pode alterar a sua saúde reprodutiva e até leva-la a óbito. E ainda falam de saúde quando se trata de matar uma criança. Essa frase é uma ironia, porque aborto é sinônimo de MORTE E VIOLÊNCIA, e não de segurança e saúde.
Por fim, o apresentador Pedro Bial fechou o programa e disse duas frases que me chamaram a atenção. A primeira: “Ser a favor da legalização do aborto não é ser a favor do aborto”. Eu me pergunto se ser a favor do aborto é ser a favor da vida então. Pelo amor de Deus, esse homem está brincando com a inteligência da população brasileira, reitero, massivamente A FAVOR DA VIDA DESDE SUA CONCEPÇÃO. A segunda frase: “O respeito à liberdade e aos direitos individuais é um dos fundamentos da sociedade democrática”. O respeito à liberdade de um bebê indefeso, que tem sua mãe como maior abrigo e refúgio não foi levado em conta durante todo o programa, muito menos “os direitos individuais” de uma criança que não tem direito de SER LIVRE, que não tem oportunidade à vida, ponto esse que foi defendido pelo Bispo, quando deixaram ele falar. O melhor seria se esses que defendem o aborto deixassem de ser hipócritas e assumissem que neles não reside escrúpulo algum, que levantam uma bandeira de “direito” falsa, que acham que “dignidade humana” é matar com a consciência limpa para evitar “sujar a sociedade”.

Quero deixar a frase do nosso Sumo Pontífice, o papa Francisco:
Defenda o nascituro contra o aborto mesmo que te persigam, te caluniem, montem armadilhas para ti, te levem às barras do tribunal ou te matem”

In corda Iesu et semper Mariae